O Princípio e o Fim

Publicado em 04/02/2009 na categoria relatos

Marcado como: ,

|

Travessia por dez montanhas em quatro dias.

Quinta-feira

Partimos de Curitiba, além de mim, o Natan e o Bolívia. Na estrada, na periferia da cidade, pegamos o Willian, que nos esperava em um posto de combustível. Quem estava fazendo o transporte até a propriedade do Seu Huguinho, em Pirapoca e aos pés do Morro do Curió, era o primo do Natan, que gentilmente acordou cedo para nos ajudar. Lá chegamos por volta das 8h com o tempo péssimo; fechado, frio e garoando. Começamos a caminhada em seguida, e em instantes já estávamos cobertos pelas nuvens e molhados. O vento aumentou quando atingimos o cume do Curió e minhas dúvidas em continuar na trilha ficaram mais fortes. Sem perder muito tempo, partimos em direção ao Vevuia. Depois tocamos rumo ao Zabelé e descemos o vale em direção ao Canário, onde fizemos um lanche. Estávamos com muito frio e encharcados até os ossos. Eu senti um desgosto enorme ao tentar comer da minha comida gelada e beber do suco frio; tinha certeza que em casa, no calor do meu lar, até xarope seria mais gostoso. Mas tudo bem… fizemos êêêê e demos pulos, quem sabe assim o exercício nos aquecesse. Continuamos a caminhar até chegar o cume do Canário e de lá diretamente para o Savacu, aonde para nossa surpresa, chegamos pouco depois das 14h. Rapidamente tratamos de montar nossas redes e fechar o abrigo contra a chuva, e também buscar calor para o corpo. Troquei minha roupa e fiz um macarrão instantâneo. Depois de alimentado, resolvi deitar em minha rede. Segundos depois a árvore em que ela estava ancorada explodiu. Um pedaço da árvore bateu forte em minha cabeça e na queda eu machuquei meu pulso. A piazada caiu na gargalhada, uns mais contidos que outros. Essa situação iria se repetir outras vezes e eu nem imaginava. O Willian, o paizão que cuidou de todos e até comida serviu nas redes, fez um curativo em meu braço e o dia continuou.

A chuva não deu trégua a noite inteira, assim como o vento. Estava tudo muito úmido e gelado, sendo impossível ficar fora dos sacos de dormir. A única vantagem dessa condição climática, foi que não precisamos procurar por água, uma vez que bastava manobrar as lonas de nossos abrigos para conseguir um pouco do precioso líquido empoçado pela chuva. Não era incolor, é verdade, mas com chá e miojo ficou bom.

Sexta-feira

Acordamos tarde e com frio, e o tempo continuava ruim. Sem pestanejar, agora inconscientemente decididos, arrumamos as coisas e partimos rumo ao Macauã. Nossa intenção não era, necessariamente, atingir o seu cume, mas sim contornar suas encostas, sempre buscando um caminho de fácil trânsito pela floresta fechada. Nosso trabalho de orientação ficou mais intenso, com a bússola sempre apontando para novas direções. Para nossa felicidade, o tempo começou a demonstrar sinais de mudança, com o frio dando lugar a uma sensação agradável de calor e nenhum vento. Um pouco antes das 16h encontramos um lugar muitíssimo inspirador para passar a noite. Era o vale entre o Macauã e o Anhumpoca, com riozinho e uma área grande e plana. Tinha também vestígios de presença humana, bem antigos, por sinal. O astral era outro e sem dúvida o moral estava elevado. Acho até lógico, porque é fácil perceber que se a situação está desgraçada, qualquer mudança para melhor deve ser comemorada. Estávamos no meio do nada, longe de tudo, e uma pequena melhora no tempo significava muito para o nosso conforto. Chegamos a ver o pôr do sol do interior do vale! Sei que fizemos uma boa refeição, conversamos bastante, trocamos muitas idéias e dormimos felizes. Estávamos fazendo progresso e tudo continuava sob controle. A lua cheia também brilhou de forma especial aquela noite.

Sábado

Desmontamos nossas redes, arrumamos as mochilas e continuamos fazendo nosso caminho pelas montanhas e florestas. O Bolívia encontrou um gafanhoto esquisito e ficamos confabulando sobre a adaptação das espécies frente ao ambiente em que vivem. Com um pouco mais de esforço que no dia anterior, pois a floresta estava deveras fechada, iniciamos a subida rumo ao Anhumpoca 3. Lá encontramos, pela primeira vez, campos ao invés de vegetação alta. Fizemos fotos e de lá fomos para o Anhumpoca 2. Nesse cume encontramos a carcaça de algum mamífero não identificado, quem sabe um cão selvagem ou algo de gênero. Seu crânio era alongado, justamente como de um cão. Enfim, foi curioso ver aquilo. Mas sem perder tempo, começamos a descer um vale a procura de uma passagem tranqüila e com água. Novamente encontramos vestígios antigos de que aquele caminho já foi utilizado no passado.

A navegação agora estava mais difícil, por conta dos diversos pequenos vales e rios que encontrávamos pela frente. Nosso plano não era subir o Chimanguinho, mas acabou sendo mais fácil fazer esse cume do que arrumar um outro caminho. Por volta das 16h30 atingimos o seu ponto máximo. Mais fotos e alguma comunicação com o mundo exterior, e voltamos a caminhar. Fomos rumo ao colo entre o Chimanguinho e o Chimango, no propósito de encontrar um lugar abrigado para dormir e que tivesse água.

Na encosta do Chimanguinho achamos um pedaço feio de barranco, mas razoavelmente capaz de servir de abrigo por uma noite. A preocupação foi que não encontramos água. Enquanto o Willian e eu ficamos armando as redes e lonas, o Natan e o Bolívia partiram na tentativa de abrir um caminho rumo aos campos entre o Chimango e Ererê, para assim ganhar tempo no dia seguinte. Quase anoitecendo eles voltaram e nós pudemos preparar nosso jantar, que infelizmente não foi tão farto quanto em outros momentos, em vista da escassez de água.

Quando já estávamos todos instalados em nossos sacos de dormir, apenas esperando o sono chegar, tive outro problema com minha rede. Ao fazer um movimento estilo lagarto, a fim de pegar um objeto em minha mochila no chão, minha rede estourou e os meus pés vazaram para fora. Sob a gargalhada feliz dos meus amigos, tive que fazer um reparo em minha rede para poder dormir. O que me consolava, era que eu estava na última noite da travessia. A próxima seria em minha cama.

Domingo

Acordamos cedo, pela primeira vez. Às 8h da manhã começamos a subir rumo aos campos entre o Chimango e Ererê. Saímos sem desjejum, pois a água já tinha acabado. Não mais que meia-hora depois já estávamos admirando a grande encosta do Pelicano, nossa última montanha, assim como as grandes rochas do Ererê a nossa direita. Pegamos o vale próximo ao Chimango e começamos a descer na procura de um caminho e de água. No fundo do vale cruzamos com um riozinho e finalmente fizemos uma refeição, tão aguardada desde que partimos. Nesse ponto encontramos novamente sinais humanos do passado e fomos seguindo essas pistas, sempre subindo o Pelicano. No que atingimos um pequeno trecho de campo, todos os rastros sumiram e voltamos a contar apenas com a nossa própria navegação. E aí um dos trechos mais difíceis começou. Não sei se porque estávamos na reta final e cansados, mas tudo parecia mais difícil. Os barrancos eram maiores, a mata era mais fechada, os formigueiros eram enormes… tudo era mais caro. Muito cansados, de repente nos descobrimos felizes novamente quando atingimos o cume do Pelicano. Enfim a última montanha! Mais fotos, abraços e depoimentos à câmera. Ainda faltavam umas 4h para chegar ao término definitivo da travessia, mas ali, finalmente começamos a perceber que o sonho estava se realizando e que era concreto.

Depois de um tempo voltamos a caminhar, passando pelo trecho mais sinistro de toda a empreitada. Foi tão ruim, que prefiro nem descrever. Após esse trecho voltamos a andar por uma trilha estabelecida, sem precisar varar mato. Alguns minutos depois, passamos por um ponto de água, onde fizemos um breve lanche, pois como não tínhamos almoçado, a fome pesava no estômago. A fadiga já era extrema também e meu pulso doía até quando eu pensava nele. Só não foi insuportável, porque todos estávamos determinados a acabar a travessia logo. E após longas 3h de caminhada desde o cume do Pelicano, passando pelo vale a direita do Gaviãozinho na trilha da Madeira do Manoel, encontramos um posto avançado do mundo civilizado, oficialmente dizendo: a Livraria do Guarumbi. Eram aproximadamente 18h.

E como combinado, lá estavam o Juliano e o Alisson prontos para fazer o nosso resgate. Que alegria foi vê-los, e com que alegria eles nos recepcionaram. Uma alegria incrível. Mais abaixo, na Livraria de Dr. Dolangue, estavam a Flavinha, a Rose e a Michele. Elas estavam muito cheirosas ou nós é que estávamos fedendo? Descemos a estrada até o carro e foi só alegria.

Segunda-feira

Apenas em casa a ficha caiu. Meu pulso ainda dói, mas eu não preciso mais me pendurar pela floresta para ir de um ponto a outro.

-x-x-

Isso não faz sentido…

Estava no canal do tempo, mas desliguei a televisão. Fui olhar da janela que é bem melhor. Mas vi apenas o vigia noturno caminhando em direção ao meu velho carvalho plantando no jardim. Pensei: se eu plantei esse carvalho, porque ele ainda está sem nome? Era melhor jantar e pensar no assunto. Sentei a mesa e me perdi nos pensamentos, até que a alvorada raiou duas vezes no horizonte. Nossa, já tinha amanhecido e eu ainda ali parado! Na ânsia de escolher uma roupa limpa, decidi colocar um chapeuzinho verde que de certo combinaria com o novo dia. Mas ainda indeciso, quem sabe por um chapéu maior ou tirar um negócio espinhento do dedo, resolvi correr pelado no parque.

-x-x-x-

Publicado originalmente em 11/09/06.

O Princípio e o Fim

O Princípio e o Fim

Fique Informado

Escolha a maneira como você gostaria de ser avisado dos próximos posts

Bookmark & Share

Compartilhe com os seus camaradas

8 Comments

  • Seja bem-vindo de volta à Terra dos Vivos!

    Grande abraço!

  • Hehe… voltando…

    Ainda estou arrumando a casa, mas em breve tudo estará pronto.

    Grande abraço!

  • Vânia Stolze

    Relatos e imagem em sépia e aquela vontade, no fundo d’alma, de ter participado também.

    Beijo.

  • Hehehehehe, demais! Levei uma boa meia hora pra realmente entender do que vc estava falando… genial! Parabéns! Não pratico “o bom e velho montanhismo” há mais de 10 anos, mas estou organizando minhas memórias no Google Earth, marcando cumes, trilhas e outros pontos de nossa serra. Tenho uma pergunta para você: entre o “princípio e o fim” tem um morro que é “Escuro” ou “Preto” (talvez “Ne…scuro”), que sempre é mencionado nos relatos dessa travessia, mas eu realmente não sei exatamente qual é a sua posição. Alguma dica?

    • Grande Fabio! Que bom que achou legal :-) Sobre esta montanha que você comenta, tenho comigo, embora sem ter certeza absoluta, que seja equivalente ao Canário. Sem esconder os nomes: Carvalho seria o mesmo de Negro. Penso ser isso. Tem uma outra montanha no mesmo bloco, mas é pra ser o Carvalhinho. Porque não marcamos uma pernada para averiguação? Eu sou companheiro. Boa sorte aí piazão. Apareça mais vezes. Qualquer coisa, dê o toque. Abraços!!

      • Valeu pela dica acima. Eu estava desconfiado de algo nesse sentido mesmo! Inclusive andei lendo o livro do Farofa e ele também faz confusão entre os dois nomes, aparentemente. Mas valeu! Ah! Nesse meio tempo, inspirado em seus relatos, encerrei meu ostracismo montanhístico! As morros continuam os mesmos, mas os meus joelhos… Fizemos uma travessia pelo Quiriri (Morro dos Perdidos-Monte Crista) e levei minha filha de 4 anos para debutar no Marumbi!!! Abraço!

Comente