Pedágio da Montanha

Aproveitando que tem feriado se aproximando, e que se o tempo colaborar todos vamos tocar em direção às montanhas, seguem valores cobrados para estacionamento e passagem em áreas que dão acesso às principais elevações da Serra do Mar Paranaense.

Update 27/04: Obrigado Márcio Macarrão, F, Jopz e Juliano pela atualização deste texto.

-x-x-

Fazenda Pico Paraná – R$10 por PESSOA – após às 18h é R$15
Principais montanhas: Pico Paraná, Caratuva e Itapiroca.
Oferece amplo estacionamento, banheiro unissex, lanche.

Fazenda da Bolinha – R$5 por PESSOA
Principais montanhas: Camapuã, Tucum e Ciririca.
Oferece lanche. Estacionamento pequeno.

Casa Garbers/Casa de Pedra – R$10 por CARRO
Principais montanhas: Mãe Catira e Sete.
Estacionamento pequeno.

Chácara do Seu Zezinho – R$5 por CARRO
Principais montanhas: Morro do Canal, Vigia e Torre Amarela.
Oferece estacionamento pequeno, banheiro feminino e masculino, lanchonete, bar.

Estacionamento próximo ao IAP – R$5 por CARRO/DIA
Principais montanhas: Todas do Marumbi, como Olimpo, Ponta do Tigre e Abrolhos.
Oferece estacionamento pequeno.

Chácara do Seu Amadeu – R$10 por CARRO
Principais montanhas: Araçatuba, Moreia e Baleia.
Oferece estacionamento pequeno, banheiro feminino e masculino.

-x-x-

Quanto se paga de pedágio nas montanhas do Paraná?

Um montanhista de carro e fazendo bate-volta:
- R$10 no Pico Paraná, Sete e Araçatuba
- R$5 no Tucum, Marumbi e Morro do Canal

Um montanhista de carro e fazendo um pernoite:
- R$10 no Pico Paraná, Sete, Araçatuba e Marumbi
- R$5 no Tucum e Morro do Canal

Quatro montanhistas de carro e fazendo bate-volta:
- R$40 no Pico Paraná
- R$20 no Tucum
- R$10 no Sete e Araçatuba
- R$5 no Marumbi e Morro do Canal

Quatro montanhistas de carro e fazendo um pernoite:
- R$40 no Pico Paraná
- R$20 no Tucum
- R$10 no Sete, Araçatuba e no Marumbi
- R$5 no Morro do Canal

-x-x-

Conclusão:
- O melhor custo/benefício é a Chácara do Seu Zezinho, que dá acesso ao Morro do Canal, Vigia e Torre Amarela. Também possui excelente infraestrutura, como lanchonete, bar e banheiros.
- A pior relação é na Fazenda Pico Paraná, onde um grupo de 4 montanhistas pagaria R$40 apenas pela passagem na propriedade, mesmo estando a pé. Este cálculo chega a R$60 se já tiver passado das 18h. E beira o absurdo de ainda haver cobrança pra sair da fazenda após às 22h. O abuso é de R$5 por pessoa.
- A mais justa ~era~ na Fazenda da Bolinha, que dá acesso ao Camapuã, Tucum e Ciririca, cujo valor cobrado era proporcional ao número de montanhistas. Pelo menos o valor é de R$5 por pessoa.

-x-x-

Este texto será atualizado frequentemente. Bom feriado a todos.

Antigamente se pulava a cerca pra subir o Pico Paraná.

Antigamente se pulava a cerca pra subir o Pico Paraná.

Fique Informado

Escolha a maneira como você gostaria de ser avisado dos próximos posts

Bookmark & Share

Compartilhe com os seus camaradas

12 Comments

  • Márcio Grochocki - Macarrão!

    Mas não é o pedágio que cuida da manutenção do pavimento, roça o acostamento, contém erosão/deslisamentos e proporciona a logística de busca e salvamento? Opa! Esqueci do cafezinho com bolacha no centro de atendimento ao usuário!

  • Atualizando Chácara do Seu Zezinho – R$5 por CARRO pago na porteira para o seu Gumercindo.

  • OLAZ, passamos sábado na fazenda do bolinha e estão cobrando 5 por pessoa, não cobra mais o carro…

    Fizemos a travessia e pagamos no Bolinha e pagamos no Dilson.

    JOPZ

  • Confirmo a alteração no preço da Bolinha e do seu Zezinho.
    Segue as informações que estão no orkut sobre a Faz. Pico Paraná:
    PREÇOS E HORÁRIOS DE ENTRADA E SAÍDA
    De 09/Janeiro/2012 até 19/Dezembro/2012:
    Das 07:00 às 18:00 horas – R$ 10,00/pessoa.
    Das 18:00 às 22:00 horas – R$ 15,00/pessoa.
    Entre 22:00 e 07:00 horas – PROIBIDA ENTRADA!!!

    De 20/Dezembro/2012 até 08/Janeiro/2013:
    Das 07:00 às 22:00 horas – R$ 15,00/pessoa.
    Entre 22:00 e 07:00 horas – PROIBIDA ENTRADA!!!

    Saída da fazenda, após às 22 h.: R$ 5,00/pessoa.

  • Obrigado a todos pela atualização!

  • J’tive som do carro roubado na fazenda do PP, anos atrás quando não tinha ninguem cobrando. E o mais comum era encontrar bandos com garrafão de vinho que chegavam só até o laguinho. Bom é chato pagar, é…. mas “isola” um pouco dos “potencialmente” perigosos. Sobre os horários, mesma coisa. Já subi muito de madrugada, mas entendo perfeitamente a seleção de horários para adentrar ao local.

  • Bom dia!

    Vamos analisar os fatos de um outro ângulo e entender o ponto de vista a partir da realidade do produtor rural.

    Atualmente, ter um propriedade no campo, ainda mais em área de preservação, não é nada fácil. Além da reserva legal de floresta (20% do terreno), o fazendeiro tem que respeitar as APP’s (áreas de preservação permanente) e o que já existe de mata. A capacidade produtiva da gleba vai se tornando cada vez mais reduzida dentro deste contexto e aí umas das poucas opções que restam é explorar o ecoturismo. A natureza passa a ser o único negócio do produtor rural!

    Ora, se pensarmos bem, cobrar uns R$ 10,00 por carro fica até barato, não concordam? Afinal, passeio ecológico é algo que a pessoa costuma fazer no final de semana e não todo dia e aí pergunto: quanto vale o nosso final de semana?!

    Uns gastam absurdos com bebida num bar a ponto da conta passar dos R$ 100,00 numa noite só. Só a entrada numa discoteca ou num show custa os olhos da cara. Mas o que podemos dizer de um fazendeiro que cobra pelo estacionamento e passagem em suas terras? Ele deve proporciona segurança para o seu carro e uma trilha com uma manutenção razoável, roçada regularmente. E ainda abre mão de uma parcela da privacidade permitindo que grupos de pessoas fiquem andando para lá e pra cá na sua casa.

    Sei lá, mas eu se fosse fazendeiro não acho que cobraria apenas R$ 10,00 por carro. Se o contrato me obriga a guardar o automóvel e a manter uma trilha “limpa”, a responsabilidade civil torna-se bem alta. E quanto mais gente, maior a preocupação.

    Infelizmente vivemos numa economia de mercado onde existe o “roubo” da propriedade privada. Bom seria se, no campo, não houvesse donos e nem cercas. Se o produtor que mora nas áreas rurais fosse também valorizado pelo seu trabalho e o governo lhe remunerasse bem pelos serviços ambientais e de ecoturismo. Só que isto anda está bem distante de ocorrer. Com muita luta dos ruralistas, as autoridades estão sendo convencidas de que a conservação das nascentes d’água deve ser paga já que hoje o uso da água é cobrado em muitas bacias hidrográficas, o que já significa algum avanço.

  • Getulio R. Vogetta

    Atualizando a tabela de pedágios…

    1. Na Fazenda da “Bolinha” já tem alguns meses que cobam R$ 10,00 por cabeça.

    2. No Araçatuba, a opção que existia de deixar o carro na frente dos banheiros (sem pagar estacionamento) não existe mais desde a páscoa deste ano, quando cercaram a área e hoje, na prática, se obriga a deixar o carro no quintal da chácara, a R$ 10,00 por carro. Quem for a pé, de van ou de ônibus se surpreenderá também com a cobrança de R$ 2,00 por pessoa. Isso sem falar que a casinha de depósito de materiais de combate a incêndio está depredada…

    E a vida segue!
    Abraços!

  • Olá.
    Subi o morro do canal a pouco tempo e estamos pensando em subir de madrugada para ver o sol nascer.
    Porém o atendimento da fazenda é após as 8:00
    Alguém tem o contato do seu zezinho para tentar negociar um horário alternativo?
    Obrigado!

Comente